Blog Profuse

A palavra é grande, tem 16 letras e costuma causar estranheza na primeira vez que é lida: hiperpigmentação. Você já ouviu falar sobre esse assunto? Aqui no Blog de Profuse você vai descobrir o que é, as possíveis causas e qual o tratamento mais indicado para esse problema na pele. E, para nos ajudar, convidamos dois dermatologistas expert no assunto: Alexandre Fabris, de São Paulo, e Bruno Vargas, de Belo Horizonte, editor do Portal do Melasma.

#1 O QUE É?

Buscamos a ajuda de um especialista para responder essa pergunta. A resposta foi a seguinte: “a hiperpigmentação da pele é um processo relacionado ao excesso de produção de melanina pelas células pigmentares da pele – os melanócitos – e, em alguns casos, é desencadeado pelo aumento do número destas células”, explica o dermatologista Alexandre Fabris.

Traduzindo, isso quer dizer que a pele pode apresentar manchas escuras em determinadas regiões do corpo em que a melanina foi produzida em excesso por alguma causa. Para quem não sabe, a melanina é uma proteína produzida a partir de um aminoácido denominado tirosina, por meio das células especializadas chamadas de melanócitos. Normalmente ela costuma ter coloração marrom.

#2 QUAIS TIPOS EXISTEM?

São vários. Você já deve ter convivido com algum deles e não percebeu. Siga a nossa lista para saber:

>> Sardas: geralmente quem tem costuma chamar atenção pelo charme que elas conferem, mas tem que ficar de olho: elas são pequenas manchas arredondadas que podem se agravar com a exposição solar.

>> Melasma: comum nas mulheres grávidas pelas alterações hormonais, o melasma ocorre quando há um depósito aumentado de melanina na pele. O dermatologista Bruno Vargas, responsável pelo Portal do Melasma, explica que se esse depósito se encontra em uma camada mais superficial, recebe o nome de melasma epidérmico. Quando se dá mais profundamente e ao redor de vasos sanguíneos, sejam eles superficiais ou profundos, é chamado de melasma dérmico. E há também o misto, que une as características das duas categorias explicadas acima.

>> Lentigos: bastante comum em pessoas mais idosas, são marcas lisas na pele, de coloração amarronzada. Aquelas pessoas que possuem pele clara e passaram muito tempo sob o sol estão mais expostos ao desenvolvimento desse tipo de manchas. Elas costumam aparecer nas mãos e nas áreas do corpo que ficam expostas ao sol.

>> Hiperpigmentações pós-inflamatórias: esse tipo de mancha pode variar entre os tons de rosa e vermelho, castanho ou preto, dependendo do tom e da profundidade da descoloração da pele. Geralmente, ela afeta as pessoas que já convivem com a acne e, às vezes, pode ser desencadeada por intervenções estéticas, como dermoabrasão, peelings químicos ou terapias a laser. Importante ressaltar que todos os tipos de pele podem ter esse tipo de problema, porém é mais comum nos tons de pele mais escuros.

#3 QUAIS SÃO AS CAUSAS DO MELASMA, UM DOS PRINCIPAIS TIPOS DE HIPERPIGMENTAÇÃO?

As causas de manchas na pele podem variar de acordo com o tipo de hiperpigmentação, com as características e o histórico do indivíduo. Convidamos o dermatologista Bruno Vargas, responsável pelo Portal do Melasma, para nos explicar melhor as possíveis causas do melasma, um dos distúrbios mais frequentes por aqueles que sofrem com produção exacerbada de melanina. “Não existe uma causa isolada. Múltiplos fatores têm sido relacionados a este distúrbio de hiperpigmentação. Entre eles, a exposição à radiação ultravioleta e a predisposição genética parecem ser os mais significativos”, explica Bruno.

#4 HÁ TRATAMENTO?

Há diversos tratamentos disponíveis no mercado de dermatologia para combater as manchas e a hiperpigmentação. Lasers, uso de cremes tópicos, peelings são somente alguns deles. Clair, por exemplo, tem uma fórmula exclusiva que une potentes ativos clareadores consagrados como Resveratrol, Ácido Kójico e vitamina C com ativos inovadores, que atuam nas etapas de formação da melanina, inibindo sua síntese e auxiliando no clareamento das manchas. O ideal é que se você perceber manchas na pele, marque uma consulta com o seu Dermatologista e confira o que mais se encaixa para o seu problema.

Agora que você sabe tudo sobre hiperpigmentação, conta pra gente o que achou nos comentários?

 

Comments

Receba novidades profuse por e-mail